(IN) POSSIBILIDADES

A exposição (IN)POSSIBILIDADES expõe uma pequena amostra da vasta produção do artista plástico, Luís Karimai. Dez anos sem a presença física entre nós e o sentimento de orfandade prenunciado se cristaliza a cada dia...

IMPOSSIBILIDADES é, aprioristicamente, do que falam as telas expostas aqui. Tal como a vida no agora, as narrativas dizem das inquietações, buscas e angústias, entraves e prisões. Os corpos em contrição, falam de tensões, dos medos que aprisionam, das dúvidas que nos cerceiam (previsão dos tempos do agora?). Vistos isoladamente ou inseridos em múltiplas narrativas dentro de uma mesma tela, ou em processos dialógicos da obra como um todo, tais imagens causam forte impacto no espectador e convida à reflexão. O que nos impossibilita? Algo ou alguém nos alijou? Quem nos estabeleceu fronteiras e horizontes, além de nós mesmos? E, se é verdade que a ARTE recupera as perdas das nossas recusas, o convite está lançado para olhar e ver além das aparências...

... (IN)POSSIBILIDADES é uma exposição virtual que atende a situações distintas: é registro simbólico de uma década do desencarne do artista Luís Karimai e trazer o diálogo de sua produção; é a pedra angular de um projeto maior de exposição permanente, fonte de aprendizados e acessibilidade ao acervo; e, por último e não menos importante, é um fio de esperança a tecer coloridos matizes em nossos insólitos dias de restrições e isolamentos. A denominação (In)possibilidades extrapola o lugar dos neologismos para aportar em um convite à desautomatização do olhar, a enxergar nos contrastes, nos paradoxos, os diálogos e possibilidades, eis a separação do prefixo. É resolver conflitos para encontrar equilíbrio capaz de sugerir esperança, movimento e transposição. É olhar para fora, mas também ser capaz de olhar para dentro (IN) e reconhecer-se apto para transcender e amenizar tensões. O chamado é apreciar “os víveres para a alma, desde humanos ‘sonhos’ enquanto lembranças infantes ou internos pássaros, tudo são de a vida caminhar altaneira em sofridos dias de agora”.[1]

Seres mitológicos, roupas armaduras/casulos, pássaros/sentimentos/emoções, carros-homens, homens-plantas, caixas-casas, pessoas em desdobramentos/êxtases, corpos que se diluem e narrativas que se fundem em conexões que a mente racional não consegue alcançar. Esse é o jogo que Karimai utiliza de aproximação imagética de figuras/ideias contrastantes. Realidade e sonho, representação e ficcionalidade, desejos e castrações, possibilidades e limitações são temas recorrentes nesta exposição. Tudo como reflexo da própria existência humana.

Bom passeio!

Maria Eneida Feitosa [2]

[1] Escrita de Karimai no convite-encarte da exposição no Centro Cultural Tenor José Brasileiro – Vida, Sonhos e Encaixes, Juazeiro do Norte - 2005.

[2] Professora da Universidade Regional do Cariri, doutora pela Escola de Belas Artes da UFMG (2017) com tese sobre a produção artística de Luís Karimai.

Obras